Quarta-feira, 31 de Outubro de 2007

Gregos e Troianos

É muito difícil agradar a toda a gente. Mais difícil ainda é aceitar a opinião dos outros; principalmente quando se está empenhadíssimo a assumir o papel de vítima e se esquece do contexto das coisas.
Está-se a organizar um jantar comemorativo dos 10 anos de umas viagens feitas ao longo de uns anos. Por acaso a que se comemora este ano não se realizou, por isso comemora-se o visto! Fui, pela primeira vez, o ano passado. E fiquei um bocado desliludida... Porque este grupo tem, ou tinha, um espírito muito próprio. E eu fui, toda entusiasmada, de Lisboa até Estarreja, à espera de revirer os good old times! Comecei a perceber-me do que se iria passar quando saí do cocktail de boas vindas. Cá fora, imensos casais com os seus filhotes! Os pais iam dizendo umas palavras entre olhares pelo canto do olho, a ver onde paravam as suas crianças. Eu própria, passei mais tempo com os filhos que com os pais (acontece que as crianças até gostam muito de mim, tenho alguma paciência e os pais até ficavam descansados uns minutos enquanto eles estavam comigo e com outros como eu). Mas não era esta a minha ideia de jantar, com pessoas que já não via, algumas delas, há anos! Até as fotos que passaram foram, maioritariamente, dos rebentos. Os temas de conversa giravam, quase todos, à volta deles. E eu caí na asneira de ter enviado um e-mail ao grupo dizendo o que senti na altura; que apesar de ter adorado conhecer os filhotes, não era o que levava em mente. Os comentários a desaprovar o meu foram duríssimos e desprovidos de razão. Chegou a haver um a dizer que organizar custava e que se não estávamos contentes, que sugeríssemos algo. Mas o caricato é que a organização deste ano propôs que se contratasse um serviço de babysitting e ninguém aceitou!! Parece que o objectivo é mesmo mostrar a prole e falar-se acerca disso.
Eu não tenho filhos. Mas se tivesse, não os levava. Se não tivesse outra alternativa, não ia. Ia outro ano... Porque isto é só uma vez por ano. E as crianças também se aborrecem nestas coisas. E ficam cansadas... E birrentas. E não sei, repito, não sei, se não será um bocado egoísta sujeitá-los a isto.
Ainda esta semana falava com uma colega que quis muito, muito, ter um filho. Andou a fazer tratamentos e agora tem um rapagão lindo, que a faz sorrir, com o rosto todo, cada vez que fala do seu amor! Este fim-de-semana teve um casamento. E disse-me: "deixei-o com os meus pais, porque ia ser horrível para ele e para nós, que só íamos estar preocupados com ele".  

sinto-me: Triste com estes bate-bocas
publicado por fraufromatlantida às 09:24
link do post | mergulhar | ver mergulhos (4) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar na Atlântida

 

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30

.mergulhos recentes

. Gregos e Troianos

.arquivos

. Setembro 2014

. Julho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Agosto 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Julho 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Abril 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. A Gaffe recortada

. Quem é que estava velho, ...

.atlantes

blogs SAPO

.subscrever feeds