Sexta-feira, 18 de Novembro de 2011

Carlos Martins - dadores de medula - E quando um desconhecido te oferece flores?!

 

Sempre tive pavor de agulhas. Lembro-me de ter ido, há uns anos, fazer análises sozinha, sem a minha mãe atrás, como era costume. Já era "crescida": terá sido algures entre os 14 e os 17 anos. Fiz a asneira de olhar, de rompante, mas olhar para a agulha espetada no meu braço. A partir desse momento, foi sempre a cair. A má disposição teve o seu pico uns metros depois da clínica: senti-me a apagar, as forças a irem-se, as coisas deixarem de ser o que são para ficar tudo branco, o zumbido nos ouvidos. Tive que me encostar a um muro e pôr a cabeça para baixo. Sentia as pessoas a passar; ninguém perguntou o que tinha ou se precisava de ajuda, mesmo sem se chegar perto (esta cena, com as devidas distâncias, faz-me lembrar a chinesinha que foi atropelada 2 vezes e a quem muita gente ignorou). O rebuçado que encontrei na mochila e o facto de ter baixado a cabeça ajudaram a que não desmaiasse.

 

Isto para dizer que tinha pavor de agulhas! Na teoria, sempre fui muito altruísta mas, na prática, sempre que me aproximava de um local para doar sangue e via aquelas agulhas com um lúmen pavoroso, mudava de ideias e voltava para trás... (chicken, eu sei...)

 

As coisas mudaram quando no meu primeiro emprego como bióloga foi votado, sem que a minha opinião pouco contasse, que passaria a tirar sangue para análise em humanos. Tenho a dizer que a coisa correu bem, nunca tive que picar ninguém 2 vezes, e perdi o aquele mal-estar pós-agulhas. As análises passaram a ser tranquilas e, finalmente, achei que já era capaz de ser dadora de sangue.

 

A primeira vez foi hilariante! A minha mãe foi comigo (só naquela e... ainda bem); ela, melhor que ninguém, sabe que estou sempre coradinha (ao contrário das outras pessoas, que usam blush para dar cor, eu uso base para disfarçar o rosado - ninguém está satisfeito). Quando, passado poucos minutos, me viu ficar sem cor, perguntou se estava vem. Quando, depois, viram, ela e a enfermeira, que estava a passar-me para o outro lado, toca a pôr o cadeirão a fazer o pino e, não sendo suficiente, a dar-me estaladinhas e a dizer para não fechar os olhos! Que vergonha!

 

Mas não desisti e, da segunda vez não foi tão mau. Lá continuei a dar o meu contributo.

 

Depois disto, achei que devia ser, também dadora de medula, mas nunca mais me deslocava a um Centro de Histocompatibilidade para tratar disso. Finalmente, há cerca 2 anos, disse que não passava desse dia, e fui ao Pulido Valente. Estou na lista de dadores e ainda não fui compatível com ninguém.

 

Toda esta história para dizer que ontem fiquei chocada ao quadrado com a história do Carlos Martins: angustiada pelo filho, revoltada pelo poder que não têm as pessoas mediáticas, com filhos em situações idênticas. Mas, entretanto, alguém disse que não podemos ver as coisas por essa perspectiva. Temos que pensar nisto como uma alavanca, que vai levar muita gente a registar-se como dadora e, deste modo, aumentar o "pool" das compatibilidades. E gostei mais desta perspectiva! Shame on me!

 

Seja como for, é diferente oferecermos flores porque sim, ou porque admiramos alguém.

 

publicado por fraufromatlantida às 09:49
link do post | mergulhar | favorito
2 comentários:
De nuno a 18 de Novembro de 2011 às 12:34
olá! infelizmente, a história do menino é chocante. tal como tu, eu também odeio agulhas. eu era daqueles que chorava, quando a minha mãe me dizia " amanhã temos a vacina da gripe para tomar" . Era assim, porque eu em pequeno, entre os 6 e 8 anos tinha de fazer várias análises por dia, fazer muito exercício físico no hospital de são joão que consistia em descer e subir as escadas do hospital, para diagnosticarem o que eu tinha. lembro-me de faltar muitas vezes ás aulas, por causa dos exames, análises e testes. O diagnóstico disso tudo foi a idade óssea atrasada dois anos, ou seja, era pequeno demais para a idade que tinha. Hoje em dia, lá vou tomando as vacinas. beijos e um bom fim de semana.
De fraufromatlantida a 21 de Novembro de 2011 às 14:53
Olá! Há coisas que nos marcam, quando somos crianças. Coompreendo que, com tanta picadela, as agulhas não sejam as tuas melhores amigas! ;)) Beijinho

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar na Atlântida

 

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30

.mergulhos recentes

. Não ter onde cair morto -...

. O encontro com "myself"

. Voltando à história do ca...

. Troika negoceia Verão com...

. O meu dia de ontem...

. Sobre a adopção por casal...

. Sou Benfica!!!!

. Afinal deu frutos!

. A Peregrinação

. Acerca dos (escandalosos)...

.arquivos

. Setembro 2014

. Julho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Agosto 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Julho 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Abril 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. A Gaffe recortada

. Quem é que estava velho, ...

.atlantes

blogs SAPO

.subscrever feeds